Monthly Archives: December 2011

ORGULHO E PRECONCEITO, Jane Austen

Conheci a série da BBC (1995) antes de ler a obra. Mas, como estava numa fase em que tinha de ler o que estava por detrás de uma série/filme que via, então resolvi dar uma hipótese à Jane Austen, já que (também por essa altura) me havia dado conta que tinha uma propensão um tanto quanto vasta para me entusiasmar com tudo o que estivesse ligado ao séc. XVII/XVIII britânico. Foi o meu mal! Depois de ler a obra com olhos de ler, nunca mais parei de ler e de a ler. Já a devo ter relido em inglês e português para mais de dez vezes, cada. É algo que não sei explicar. Jane Austen ficou-me no sangue.

Tenho a convicção que tudo o que é comédia romântica, tem por base as obra O&P. Só pode! Há quem possa duvidar e achar que não. OK! Cada um vê o que quer num molhe de couves (http://www.mediabooks.com/catalogo/detalhes_produto.php?id=51591). Ora, para mim, todas as romantic comedies começam por ter um casal que não se gostam: ele é sempre taciturno/sério e ela muito espirituosa/vanguardista para o seu tempo/espaço. Há sempre um vilão que parece muito bonzinho e que seduz tudo e todos. Há uma ou outra personagem adjuvante e que ajuda ao desenrolar da trama. Existe um monte de peripécias onde as duas personagens principais se vão dando a conhecer e a permitirem-se a coisas que antes não permitiam e voilá – apaixonam-se, e tudo acaba bem. Tcharan: a trama básica da obra.

Pessoalmente, vai-vos parecer estranho eu dizer isso, mas eu não gosto de finais felizes. Não acredito que os haja. Contudo, vou-me deixando sonhar e tentando desejar que, se calhar, uma vez, por uma coincidência qualquer do destino, um final pink possa acontecer. Não sou muito crente a esse respeito, pero que las hay, las hay.

Falando da obra propriamente dita, encanta-me a língua e o vocabulário; encanta-me as personagens bem estruturadas com o que eu chamo the witty feeling. Lê-se a obra sob vários primas: o romântico, o linguístico e o social. Ora, o primeiro, já o expressei: é comum e muito normal para os nossos dias encontrar-mos obras baseadas nesse presuposto. Na altura dela (1813) não era tão normal assim. Era mais comum o sacrificar-se pelo bem estar do outro, mesmo que não fosse com o/a amante, nem muito menos haver uma mulher com opiniões tão marcadas. Daí o entusiasmo que eu tenho pela Lizzy. O encanto pelo Mr. Darcy vem pelo muito imbuido no sangue, sentimento de cavaleiro andante que não olha a meios para proteger a amada. Cliché, eu sei, mas é chamativo.

O linguístico… a obra tem uma panóplia de expressões que até hoje marcam (não dá para esquecer a frase inicial da obra – It is a truth universally acknowledged, that a single man in possession of a good fortune, must be in want of a wife. – ou mesmo uma que me diz muito… Heaven and earth, are the shades of Pemberley to be thus polluted?). Para tirar dúvidas, exprimentem o http://writelikeausten.com/. A forma como ela constrói a frase e o tom que lhe emprega é um exemplo perfeito da sua – Jane Austen – mestria.

O aspeto social é que é um espanto. Diverte-me ler a obra só para retirar de lá, sempre, pontos que me redirecionam a uma Inglaterra onde eu desejaria ter vivido. Mas, falando da obra, só a forma de atuar da Mrs. Bennet dá pano para muita manga! A mulher é um poço de estudo para uma crítica à sociedade da altura, não esquecendo a Miss Bingley, claro! Personagens que conferem à obra, quanto a mim, uma base do ridículo social. Mas toda ela – obra – alías como todas deste tempo, são muito fiéis aos usos e costumes de Inglaterra e daí serem tão atrativos, pelo menos para mim.

Se ainda não a leram, leiam-na com espírito aberto e sem pretenções nem pré conceitos. Não de deixem levar só pelas adaptações televisivas (a muito hollywoodesca de 1940; a de 1979 (muito fidedigna à obra); a de 1995 (a mais conhecida e amada de todas); a do filme de 2005, que tem, quanto a mim, uma visão um tantinho distinto da obra, mas com detalhes lindos!) nem só pelas sequelas e baseadas em (por mais disparatadas que sejam – Orgulho e Preconceito e Zombies http://en.wikipedia.org/wiki/Pride_and_Prejudice_and_Zombies)

Orgulho e Preconceito, é um must! Vão ver que até para os homens, tem coisas que interessa.

1 Comment

Filed under JaneAusten's

E assim começa…

Nos meus trinta e dois anos de idade já fui chamada de muita coisa, mas só recentemente me chamaram de  “bookaholic”.

Para quem me conhece, sabe que ler é o que mais gosto de fazer e o que me proponho aqui é apenas expressar o que eu acho de um livro, dos livros todos que leio. E eu leio-os aos montes.

Tenho uma predileção pelos séculos 17, 18e 19, apesar de não me singir a essas épocas e não só em inglês e não só em prosa. Poesia também entra na lista e todas as obras que tenham algo a haver com Jane Austen.

De entre o que leio, aquilo a que me disponho a fazer é comentá-los de acordo com os meus conhecimentos e aptidões,  sobre a sua estrutura, linguagem, tema, ação, personagens, motivações, qualidade, bom gosto e tudo o mais que me parecer justo comentar. Fá-lo-ei por que gosto de ler e não com algum intuito comercial.

Vou colocar um comentário sempre que ler um livro. É o meu compromisso para com vocês.

Espero incitar à leitura, à criação de novos mundos de entre o vosso e, quem sabe, levar a que algum de vós escreva algo, também.

Até breve,

Carolina Cordeiro

2 Comments

Filed under My word...

And so it begins…

I have been called a lot of things in my thirty two years of age, but only recently the “bookaholic” term came into being. And so, I became the all time known book lover with who my friends are acquainted. This blog intends but nothing else than express what I do think about the books I read. And, I do read a lot of them.

My favorite literary period spreads around the 17th, 18th and 19th century. However, I do read a vast more, and not only in English so I’ll be posting other books comments here from which will vary from poetry, through non-fictional, to fiction or whatever may appear in my hands. Nonetheless, my heart is truly set on that period, even more with Jane Austen.

I came across some of her novel’s sequels and I must say I was quiet happy overall. Therefore, I created this space so I could, within my taste and knowledge of literary works, express my opinion about them. I do not intend to help sales or whatever commercial purpose they may seek. They are worth for themselves. My pure intention is just tell to whom it may interest, what those books are to me. I will be commenting on structure, language, theme, plot, characters, motivations, quality, good taste and whatever I think it will be worth the trouble of mentioning.

So, I’ll start by posting a personal book’s review every time I end a reading. That is my promise. Hope I’ll incite you to read the books, to create new worlds and who knows, your own novels.

Hope to see your comments soon,

Carolina Cordeiro

Leave a comment

Filed under My word...